EDIÇÃO IMPRESSA ATUAL - Nº 90-OUTUBRO DE 2007
Clouse Marinho
Mara Barreto*



A necessidade de prevenção desde a odontologia intra-uterina e primeira infância
[23/01/2007- Matéria da Edição :81- outubro de 2006 ]
Nos primórdios da odontologia, houve o predomínio de procedimentos curativos e restauradores. No entanto, a odontopediatria tem estabelecido novos caminhos neste final de século, como o atendimento odontológico a gestantes e bebês, tornando-se um paradigma em destaque, atualmente, fundamentado na promoção de saúde bucal e prevenção, tendo como meta as condições ideais para um correto desenvolvimento do sistema estomatognático da criança.
Desde que é instalada a dentadura decídua, o risco de ocorrência de cáries, instituição de hábitos deletérios e de má oclusões são reais e presentes nos primeiros meses de vida, ficando clara a imperiosa necessidade de uma conscientização e um tratamento das mães em período pré-natal, para prevenção e efetivo controle das doenças bucais em seus filhos, uma vez que esta se encontra emocionalmente sensível e susceptível a novos conhecimentos.
Para que um programa educativo seja bem sucedido, deve ser amplamente divulgado na escola, ampliando seus objetivos numa interdisciplinaridade e responsabilidade compartilhadas pelos indivíduos, famílias, profissionais da área de educação e saúde, instituições e autoridades locais. Um programa assim torna-se fundamental para que se possa introduzir bons hábitos, desde o início de vida da criança, apostando intensamente na educação em saúde como o grande instrumento de transformação, esperando, dessa forma, contribuir para o surgimento de gerações mais esclarecidas, atuantes e saudáveis.

* Mestre em Odontopediatria pela Universidade de São Paulo Treinamento clínico no Rhode Island Hospital - USA


Piadas

PIADA DE ANTÔNIMO
Um caipira estava num bar quando um outro freguês falou:
- Zé, vamos brincar de antônimo?
- O que é isso?
- É o contrário. Exemplo: doença e saúde, seco e molhado.
- Ah, bão! Então vamo.
- Valendo uma cerveja, tá bem?
- Tá bão!
- Vamos lá, Zé. Qual é o antônimo de preto?
- Branco.
- Muito bem. E o antônimo de verde?
- Verde? Verde num tem antônimo, não.
- Tem, sim. É maduro. Manda uma cerveja aí, seu Antônio. É por conta do Zé.
O Zé ficou na dele, sem reclamar. Passados uns 10 minutos, o folgado chega de novo no Zé:
- Zé, agora você me pergunta e eu respondo, valendo duas cervejas. Valeu?
- Valeu.
- Pode perguntar, Zé!
- Tá bão. Qual é o antônimo de fumo?
- Zé, fumo não tem antônimo.
- Tem sim.
- E qual é?
- É vortemo. Tonho, manda duas cerveja!

BÊBADO DOS CÉUS!
por Leo Leahy (8ª série) Um bêbado chega no bar cambaleando e grita:
- Pessoal, preste (hic!) atenção! EU SOU DEUS!
O dono do bar, cansado de conviver com esses bêbados, responde rispidamente:
-Ah, faça-me o favor! Pare de blasfemar. Você fica falando isso e vai acabar queimando no inferno, feito um leitão à pururuca!
O bêbado está decidido e retruca:
- É assim? (hic!) Siga-me que eu vou provar!
O bêbado leva o dono do bar até a igreja. Quando o padre o vê, exclama desesperado:
- Ó MEU DEUS! Você aqui de novo...

PONTUAÇÃO CERTA
Onde você colocaria a vírgula na frase abaixo?
"Se o homem soubesse o valor que tem a mulher andaria de quatro à sua procura."

Resposta:
Se você é mulher, certamente colocou a vírgula depois de "mulher"...

Mas, se você é homem, certamente a colocou depois de "tem"..