EDIÇÃO IMPRESSA ATUAL - Nº 90-OUTUBRO DE 2007



Educação financeira a porta de escape para um futuro brilhante, com dinheiro e felicidade
[05/05/2007- Matéria da Edição :85 - Março de 2007 ]
Você já deve ter ouvido as frases "estou atolado em dívidas!" ou ainda "meu Deus, como vou pagar as contas neste final de mês?", são linguagens cotidianas na vida da maioria dos brasileiros, que luta para sair do vermelho.
Falando em saldo negativo, em algum momento de sua vida você se encontrou nessa situação? Se afirmativa a resposta, calma, você faz parte de quase 80% da população. O fato mais preocupante é o ingresso nessa situação cada vez mais cedo, isto é, a juventude brasileira vem se endividando cada vez mais, pela facilidade de crédito como cartões, cheques, financiamentos etc. Mas não se desesperem, jovens e adultos endividados ou à beira da falência financeira; nem tudo esta perdido, basta seguir um simples ensinamento. A lição básica é CONSUMIR, isto mesmo, consumir menos do que ganha e investir/poupar a diferença, isto é, o que sobra. Vejamos como os juros recompensam os poupadores: Se hoje guardássemos somente R$ 100,00 com o rendimento mensal de 1%, daqui a 1 ano, teríamos R$ 112,68, daqui a 2 anos, teríamos R$ 126,97, daqui a 5 anos, teríamos R$ 181,67, daqui a 10 anos, teríamos R$ 330,04, daqui a 20 anos, teríamos R$ 1.089,26, daqui a 40 anos,teríamos R$ 11.864,77 e daqui a 70 anos, a bagatela simples de R$ 426.534,32. São números estimulantes para uma população que tem vida média em torno dos 70 a 80 anos. Desta forma, o segredo inicial é poupar a máximo possível!
Você deve estar se perguntando: como posso poupar se ganho tão pouco? Conheci pessoas que fizeram fortunas com a renda mensal inferior a três salários mínimos. O que importa para superar essa barreira é começar hoje. O problema das pessoas sempre permanecerem pobres é por que não fazem planos. O professor Gustavo Cerbasi nos indica quatro erros básicos que a pessoa pobre sempre comete: 1º despreza os pequenos valores - muitas empresas respeitam muito os pequenos valores e por isso fazem fortunas ao vender um número muito grande de produtos com margem de lucro muito pequena; 2° não se esforça por uma boa negociação - o dinheiro vale mais em sua mão do que na dos outros; 3° não tem percepção financeira - despreza a importância que o juros fazem em determinado capital, seja ele próprio para prover ganhos ou seja de terceiros, que terão que se endividar ao pagar altas taxas; 4° não sabe onde quer chegar - Quais são seus objetivos? Quanto de sua renda você planeja poupar ou investir? Em quanto tempo irá se aposentar? A grande diferença entre os ricos e os pobres é que os ricos fazem PLANOS. Então comecem, desde já, a elaborar um plano!
Atualmente existem mecanismos diversos para fazer o seu dinheiro trabalhar para você. A forma mais simples e convencional é a poupança, embora não lhes remunere tão bem. Outras alternativas são as aplicações financeiras, ações de empresas, planos de previdência privada etc. Nunca esqueça duas lições fundamentais expostas pelo professor Cerbasi: a primeira delas é não gastar além das posses. Se não consegue poupar, é porque resolveu ter um padrão de vida maior que suas posses. E a segunda é que as coisas mais importantes da vida não custam nada. Quanto custa o carinho das pessoas que você ama? Quanto custa o abraço de um filho? Quanto custa uma boa conversa com os amigos? Dedique-se a você e sua família. Se acha que será feliz somente com muito dinheiro, é pura ilusão. A felicidade se constrói diariamente, o dinheiro não é felicidade. O dinheiro é como um cupom que lhe proporciona meios de curtir aquilo que você ama ou aprecia muito. Desta forma, será uma pessoa rica em todos os sentidos da palavra riqueza.
ENSINAMENTO CHINÊS, que trata da relação que é preciso ter com dinheiro:
Ele pode comprar uma casa, mas não um lar.
Ele pode comprar uma cama, mas não um sono.
Ele pode comprar um relógio, mas não o tempo.
Ele pode comprar um livro, mas não o conhecimento.
Ele pode comprar um título, mas não o respeito.
Ele pode comprar um médico, mas não a saúde.
Ele pode comprar o sangue, mas não a vida.
Ele pode comprar até o sexo, mas jamais comprará o amor.
*Max Dayvid Dantas Santos
* Advogado tributarista e financista, empresário do setor de energia e telecomunicações, Colaborador da Junior Achievement, Secretário-Geral do Conselho de Jovens Empreendedores de Aracaju/SE-CJE e Conselheiro da Confederação Nacional dos Jovens Empresários- CONAJE