EDIÇÃO IMPRESSA ATUAL - Nº 90-OUTUBRO DE 2007
Panda



Cara Humanidade
[05/05/2007- Matéria da Edição :85 - Março de 2007 ]
Eu sou uma panda-gigante. Acho que todos me conhecem como símbolo da Fundação Mundial para a Conservação da Natureza. Eu me alimento de brotos de bambu, que nem sempre são encontrados, porque os brotos de bambu levam 100 anos para germinar, crescer e brotar. Quando os pés novos chegam a germinar, nós já morremos de fome. Não é fácil me manter nos zoológicos, pois é preciso arranjar brotos de bambu para mim. Além disso, é difícil reproduzirmos em cativeiro.
Você pode ficar de olho se quiser me ajudar. Quanto mais vocês tiram da natureza, menos sobra para nós. Lembrem-se, a biosfera é de todos, não é só de vocês. Vocês estão derrubando as matas para plantar, e as matas levam muito tempo para serem reconstituídas.
Há uma porção de maneiras de colaborar. O que é que, por exemplo, você pode fazer? Primeiro procure não desperdiçar nada. Quase tudo da natureza pode ser reaproveitado. Alimentem os passarinhos. Não arranquem as flores. Deixem os bichos e plantas onde estão. Não matem os animais de que você tem medo. As aranhas, cobras e insetos são muito importantes para todos nós. Ajudem a manter o equilíbrio da natureza. Vocês também caçam como esporte e para se alimentar. Mas, se vocês não controlarem a caça, nós seremos ameaçados. Vocês também podem me ajudar se optarem por não comprar coisas feitas com pêlo de qualquer animal, vocês podem comprar coisas feitas de fibras artificiais, plásticos, pano e outros materiais criados pelo homem. Se vocês se incomodarem de matar os animais para fazer cintos, casacos, bolsas, sapatos, já estarão ajudando a evitar nossa extinção. Vocês têm que fazer leis que proíbam a matança de animais, e quem desobedecer deve ser punido severamente. Eu, que me alimento de plantas, preciso que vocês parem de derrubar as árvores, porque elas nos fornecem oxigênio e comida. Querem saber como vocês vão fazer papel ou coisas feitas de madeira? Cuidar da natureza significa vocês equilibrarem suas necessidades com a fauna e a flora. Este é o grande sonho da humanidade, a comensalidade. A comensalidade é você tirar algo da natureza e compartilhar isso com a fauna e a flora, a comunhão de todos os reinos da natureza, cooperando entre si, num banquete onde todos sentam juntos e comungam a vida. A vida não é um fast-food, mas é partilhar o pão, sentar junto, saltar da animalidade para a humanidade, onde, em um ambiente, as mãos se estendam para formar uma comunidade de vida, uma cultura de paz.
Da próxima vez que você for a um restaurante chinês e observar no cardápio a variedade de pratos feitos com broto de bambu, lembrem-se de mim e pratiquem a comensalidade. Eu só como brotos de bambu e vocês podem escolher outros pratos e deixar os brotos de bambu para a minha espécie se manter viva.
Quando forem pescar com a varinha de bambu, ou quando forem se sentar nas suas cadeiras de bambu, lembrem-se que eles (os bambus) levam 100 anos para germinar e crescer, para depois, quando estiverem transformados em seus utensílios diários, vocês estragarem e jogar tudo fora.
MAS AINDA RESTA ESPERANÇA!
por Sarah Oliveira Dória (8º ano)