EDIÇÃO IMPRESSA ATUAL - Nº 90-OUTUBRO DE 2007



Inteligência Artificial
[29/01/2007- Matéria da Edição :82 - nov_dez 2006 ]
por Victor Cardoso (7ª série)

Direção: Steven Spielberg
Elenco: Halley Joey Hasment, Jude Law, Willian Hurt, Brendan Gleeson
Nota: Brilhante
Um filme obrigatório para quem gosta de ficção científica (bem feita). Adaptada do livro “Superbrinquedos que duram o verão inteiro”, o roteiro é fruto da união de dois dos mais brilhantes diretores do cinema: Steven Spielberg e o já falecido Stanley Kubrick.
Situado num futuro muito otimista, onde enchentes levaram cidades como Veneza e Manhatan; os recursos naturais são escassos; e os casais precisam da autorização do governo para ter filhos; um grupo de cientistas cria David ( Halley Ioly Hosment), um menino robô criado para exercer a única função que só cabia aos seres humanos: amar. O garoto é enviado a uma família rica, cujo filho foi vitimado de uma doença paralisante e incurável. Depois que uma senha é dita a David, ele ativa sua programação e desenvolve um amor incondicional pela sua “mãe”, num processo irreversível. A princípio, ele fala, anda, age e pensa como uma máquina. Mas, à medida que aprende e convive com seus “pais”, vai adiquirindo características e modo de agir humanos, ajudado em seu aprendizado por um ursinho de pelúcia que fala, anda e pensa, chamado Teddy. Mas o primogênito é curado, volta para casa e não demora até que todos, exceto a mãe, fiquem contra David e resolvam expulsá-lo depois que ele causa um acidente quase fatal. Ele é abandonado num bosque, com apenas o Teddy - como na fábula de Pinóquio, que ele leu, David acha que a solução é se tornar um “menino de verdade” para conseguir de volta o amor de sua mãe.
Daí ele inicia uma jornada à procura de uma “fada azul” que o transforme em humano. Em seu caminho, encontra uma galeria de personagens e lugares inusitados, frutos do mundo em que robôs são subseres: um enlouquecido dono de circo, que odeia robôs (Brendan Aleeson); um robô gigolô chamado Joe (Jude Low), que servirá como uma espécie de guia para David; e o líder do grupo de cientistas, que criou David à imagem e semelhança de seu filho que morreu (Willian Hust). O mundo humano é bastante cruel para os robôs ou MECA, como eles são denominados pelos seus criadores humanos (que são ORGA). O filme é repleto de situações e lugares onde a imaginação e a crueldade infantil se misturam, como numa fábula, densa, triste e bonita. Inicialmente, mostra o medo do ser humano de ser destruído pela própria criação; em outras palavras, na voz do robô Joe: “Eles nos fizeram muito rápidos, inteligentes demais e em número excessivo”. Mas a idéia central do filme é mesmo essa: as máquinas não serão a extinção da raça humana, e sim a sua continuação, como prova o inocente David.

Outra dica aí, gente
Livro
O Código da Vinci
por Bruno Tomazi (7ª série)
Depois de Anjos e Demônios, Dan Brown surpreende mais uma vez com o seu novo sucesso O Código da Vinci, um livro empolgante, misterioso e polêmico. Robert Langdon já provou a todos seu brilhantismo em seu último caso no Vaticano, onde desvendou segredos de uma das maiores seitas anti-cristãs, o Iluminat. Agora usará seu talento novamente, em mais um caso desafiador: o assassinato de Jacques Sauníere, o curador do Museu do Louvre, integrante do Priorado de Sião, uma seita da qual participaram grandes nomes mundiais. Ele foi morto por um integrante da Opus Dei. Mas dessa vez Robert irá contar com a ajuda de Sophie Neveu, uma charmosa e talentosa criptógrafa francesa e neta de Sauníere. A partir daí, eles vão ter uma corrida contra o tempo para encontrar pistas e fugir do assassino de Sauníere. Uma empolgante busca pela verdade, que culminará com a revelação de um segredo que abalará as fundações da Igreja Católica.